bansen

Assessoria de imprensa

Follow-us on | Like us on

Prêmio Deutsche Bank Urban Age Award, São Paulo, 2008 - Histórico do prêmio em São Paulo, 2008 e descrição dos projetos finalistas e vencedores
 
Assista o vídeo sobre os projetos em São Paulo
 

[ Histórico do prêmio em São Paulo, 2008 ]

[ Descrição dos projetos finalistas e vencedores ]

 

Prêmio Deutsche Bank Urban Age Award, São Paulo, 2008: Histórico do prêmio em São Paulo, 2008

O Deutsche Bank promoveu o segundo Deutsche Bank Urban Age Award, no valor de $100.000 USD, para projetos instalados na região metropolitana de São Paulo.

O Deutsche Bank Urban Age Award é uma iniciativa associada ao projeto Urban Age, uma investigação conjunta de Alfred Herrhausen Society, Deutsche Bank e London School of Economics and Political Science sobre o futuro de cidades.

Após conferências em Nova York, Londres, Shangai, Cidade do México, Johannesburg, Berlim e Mumbai, o projeto Urban Age estendeu sua investigação interdisciplinar ao processo de urbanização na América do Sul, com uma conferência em São Paulo realizada em dezembro de 2008 para encerrar um ano de pesquisa e análise. Além de tratar de mudanças estruturais significativas que afetam a maior cidade e a maior potência econômica do Brasil — com uma população crescente de mais de 19 milhões, São Paulo é hoje a quinta maior cidade do mundo — Urban Age explorou tendências urbanas no Rio de Janeiro, Buenos Aires, Bogotá e Lima, oferecendo uma perspectiva regional em questões sociais, espaciais e econômicas fundamentais, subjacentes ao crescimento urbano na América do Sul.

Urban Age South America foi organizado em associação com o Estado de São Paulo, o Município de São Paulo, a Universidade de São Paulo e o Centro de Estudo de Política e Economia do Setor Público da Fundação Getúlio Vargas. Um grupo de especialistas urbanos internacionais, regionais e locais trabalhará de perto, através de uma série de workshops em São Paulo e Londres, durante 2008, sobre temas fundamentais de exclusão social e violência urbana, transporte público e mobilidade, e a relação entre o crescimento urbano e a provisão de infra-estrutura.

Estas atividades coincidiram com a segunda premiação anual Deutsche Bank Urban Age Award.

O Deutsche Bank Urban Age Award foi criado para reconhecer e celebrar soluções criativas a problemas e oportunidades com os quais se depara a metade da população mundial que agora vive nas cidades. Por esta razão, o prêmio focaliza projetos que beneficiam comunidades e residentes locais, aprimorando seus ambientes urbanos. Seu objetivo é incentivar cidadãos, formadores de políticas, empresas privadas e organizações não governamentais a assumirem um papel pró-ativo para forjarem responsabilidades partilhadas em cidades no século 21 — a primeira Era verdadeiramente 'urbana' da humanidade

Em sua primeira edição - realizada em novembro de 2007, em Mumbai (Índia) – o prêmio foi dividido entre dois projetos: O Triratna Prerana Mandal e o Mumbai Waterfronts Centre. Em 2009, prêmio tem continuidade, desta vez em Istambul.

A segunda edição do Deutsche Bank Urban Age Award recebeu 133 inscrições de toda a área metropolitana de São Paulo, duas vezes o número de inscritos para a primeira versão do prêmio dado em Mumbai, em 2007. As inscrições refletiram a vibração dos paulistanos e a inventividade na resposta 3 aos graves desafios ambientais e sociais enfrentados pela maior e mais complexa cidade da América do Sul. O vencedor foi anunciado em 3 de dezembro de 2008.

Em São Paulo, o prêmio contou com um júri independente composto por: Richard Burdett, Professor em Arquitetura e Urbanismo em London School of Economics e Diretor do programa Urban Age, Tata Amaral, cineasta brasileira; Fernando de Mello Franco, arquiteto, Filadélfia, Raí Souza Vieira de Oliveira, ex-jogador, criador da Fundação Gol de Letra, Anthony A. Williams, ex-prefeito de Washington,e Lisette Lagnado, professora de Mestrado em Artes Visuais, Mestre em Comunicação e Semiótica, Doutora em Filosofia e curadora geral da 27ª Bienal de São Paulo.

O júri selecionou a seguinte lista de doze inscritos altamente qualificados:

CORA GARRIDO BOXE, INSTITUTO ACAIA, BIOURBAN, ESPAÇO DE CULTURA COHAB RAPOSO TAVARES, SEDE DA UNIÃO DE MORADORES E DO COMÉRCIO DE PARAISÓPOLIS, KINOFORUM, BAIRRO-ESCOLA: ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ, PROJETO INCLUSÃO SOCIAL URBANA NÓS DO CENTRO, REDE CULTURAL BEIJA-FLOR, EDIFÍCIO UNIÃO, PRAÇAS DA PAZ SULAMÉRICA, COOPERATIVA DE RECICLAGEM NOVA ESPERANÇA.

(Mais informações sobre os doze projetos anexas a este documento e em nosso site, em inglês)

O Deutsche Bank Urban Age Award de 100 mil dólares foi entregue no dia 3 de dezembro de 2008 para o projeto EDIFÍCIO UNIÃO. Na ocasião, a Deutsche Bank Americas Foundation anunciou também a entrega de 5 mil dolares para outros três projetos: COOPERATIVA DE RECICLAGEM NOVA ESPERANÇA, INSTITUTO ACAIA e BIOURBAN. A decisão foi motivada pela alta qualidade dos projetos inscritos nesta edição do prêmio, que recebeu duas vezes mais inscrições do que a edição de Mumbai em 2007. Dois representantes do Edifício União serão convidados para participar da próxima conferência Urban Age, em Istambul, na Turquia, em outubro de 2009.

Encontro de líderes

Ao final da Conferência Urban Age South America, no dia 6 de dezembro, foi realizado um workshop no SESC Paulista com os ganhadores do Deutsche Bank Urban Age Award de Mumbai (em 2007) e de São Paulo, durante o qual os líderes comunitários indianos e brasileiros puderam trocar experiências. Um exemplo simples dessa troca ocorreu quando representantes do projeto Cooperativa de Reciclagem Nova Esperança ouviram atentos e interessados ao relato de um dos participantes da Índia sobre como
eles conseguiram que a Coca Cola lhes fornecesse gratuitamente equipamento que permite prensar as garrafas PET coletadas, equipamento fundamental para melhorar as condições de trabalho que envolvem o manuseio do lixo coletado.

Wolfgang Nowak, Diretor Executivo, Alfred Herrhausen Society: "Governar uma cidade significa gerenciar contradições. O Deutsche Bank Urban Age visa a incentivar as pessoas a superarem contradições e a trabalharem juntas para assumirem responsabilidade por suas cidades."

 
 

[ Descrição dos projetos finalistas e vencedores ]

Vencedor: Do Cortiço da Rua Solón ao Edifício União

DBUAaward2008-edificio-uniaoComo muitos outros edifícios de seu período, o da Rua Sólon, 934, é uma estrutura de vários andares de concreto, parcialmente completada, localizada no bairro do Bom Retiro, perto ao centro de São Paulo e suas diversas atividades econômicas. Construído na década de 1970, o edifício permaneceu inacabado devido à morte do construtor, e foi subseqüentemente ocupado ilegalmente por famílias na década de 1980. Como acontece com tantos outros 'edifícios invadidos', os primeiros residentes estabeleceram um sistema precário de fornecimento de eletricidade com fios expostos, e uma forma bem básica de coleta de lixo. A superpopulação tornou-se grave com 73 famílias amontoadas no prédio, usando todos os espaços disponíveis inclusive o poço do elevador. Um projeto com estudantes da Faculdade de Arquitetura de São Paulo (FAU) para aprimorar o local foi iniciado.

Através de várias parcerias, inclusive do governo local, a universidade, instituições públicas, grupos de direitos humanos e empreendimento privado, parte da tarefa tornou-se a captação de recursos e a redução da 'densidade' do edifício. Mais de 30 famílias foram abrigadas em outro local, e os residentes remanescentes concentraram-se em melhorar o padrão de vida para toda a comunidade. Com recursos assegurados, os estudantes de arquitetura decidiram morar no edifício com os residentes durante uma semana.

A ação alcançou três resultados imediatamente visíveis. Primeiro, os mutirões ou iniciativas coletivas entre os estudantes e os residentes organizados para limpar o local, a começar pelas áreas comuns e com o acesso freqüentemente bloqueado ao edifício. Segundo, a instalação da rede elétrica coletiva permitiu a cada família ter uma medida confiável de suas contas de energia elétrica, e assim forneceu mais estabilidade econômica além de remover os riscos de incêndio do projeto anterior. Terceiro, eles melhoraram a fachada do edifício, colocaram portões de segurança e acrescentaram letras com o nome do edifício.

Edifício União: Os aprimoramentos físicos ao 'visual' do edifício e à suas áreas comuns criaram uma nova motivação que levou muitos dos residentes a fazerem melhorias dentro de seus próprios apartamentos. Paredes internas foram feitas e pintadas, novas cozinhas e banheiros foram instalados, com um determinado interesse na melhoria coletiva e na manutenção do local. Foram introduzidas aberturas em corredores escuros e escadas, para aprimorar o ambiente e reduzir o consumo de eletricidade. A parceria entre a universidade, futuros arquitetos, e os residentes do Cortiço da Rua Sólon estabelece um método para interação entre o social e o físico, entre o construído e o vivido, no coração da cidade, próximo a empregos, escolas e benefícios sociais.

Instituto ACAIA

DBUAaward-2008-acaiaDesde 1998, o Instituto ACAIA oferece um raro recurso para jovens de favelas da redondeza – uma espaçosa e bem-projetada oficina de artesanato e arte com extensas instalações para treinamento, no meio de uma área industrial em rápido processo de mudança. Embora esse projeto tenha fornecido dependências tão necessárias para crianças carentes fora do local onde residem, a iniciativa tem se expandido, com intervenções nas próprias favelas.

O Instituto ACAIA trabalha de perto com a associação de moradores para desenvolverem planos estratégicos e fazerem melhorias no espaço, na Vila Leopoldina, uma localidade que luta para acomodar 960 famílias de duas favelas que se assentaram lá desde 2006, próximo ao mercado atacadista de alimentos da cidade que fornece a maioria dos empregos para os residentes locais. À parte da construção de nova infra-estrutura de esgoto e pavimentação na favela densa e compacta, a iniciativa levou à criação de um novo espaço público com equipamento para recreação e uma 'cabine de arte' usada intensamente por crianças do local à porta de suas casas.    DBUAaward2008 Instituto AcaiaDBUAaward2008-ACAIA

DBUAarard-2008-BioUrbanBioUrban

BioUrban é uma iniciativa urbana original conduzida por Jeff Anderson, um jovem estudante de sociologia, na favela Mauro, uma área da cidade de São Paulo que tem sofrido de degradação socioambiental. O projeto tem promovido a realização de uma série de intervenções estéticas que estão transformando a qualidade espacial dos arredores em um curto período de tempo. As intervenções incluem a limpeza de pequenos espaços e áreas-limite na frente das casas, o plantio de canteiros de flores no lugar de placas de concreto, a introdução de cores e materiais para humanizar as fachadas e a infra-estrutura exposta, a criação de trabalhos artísticos públicos por crianças no local e a apresentação de atividades coletivas – como sessões de pintura –dentro desses lugares urbanos 'encontrados'. Todo o material usado no projeto vem de lixo encontrado nos arredores. Baseado no trabalho do artista e arquiteto Friedensreich Hundertwasser que defende "o direito à janela", BioUrban é dedicado ao desenvolvimento da capacidade de liderança e à criação de espaços urbanos saudáveis dentro das áreas de risco social de São Paulo.DBUAaward2008-BiourbanDBUAarard-2008-BioUrban

Cooperativa de Reciclagem Nova Esperança

A Cooperativa de Reciclagem Nova Esperança é uma parceria inovadora da Secretaria de Habitação do Estado de São Paulo (CDHU) e residentes locais desenvolvida no Programa Integrado de Urbanização do Pantanal. Mais de 30.000 pessoas vivem em uma área localizada na periferia da zona Leste de São Paulo ocupando um terreno que antes era inundado, do rio Tietê, que tem sido sujeito a sucessivas ocupações de terra nos últimos 30 anos. O projeto foi pioneiro no uso de um novo sistema de coleta de lixo que gera renda para a cooperativa e reduz o volume de resíduos, antes depositados nas ruas da vizinhança, em espaços públicos e córregos. Além de estabelecer novas formas e tecnologias de reciclagem, o projeto visa a criar um espaço aberto para a comunidade, recuperando uma faixa do rio Tietê como parte de um programa mais amplo de aprimoramento urbano para a área. A cooperativa também organiza atividades sociais e educacionais que promovem a consciência ambiental na comunidade, colocando em prática os melhores princípios de planejamento sustentável.

 
 

Notícias relacionadas

Deutsche Bank URBAN AGE Award

O livro “Handmade Urbanism. From Community Initiatives to Participatory Models", disponível na Alemanha desde abril de 2013, será lançado no Brasil em junho.

“Handmade Urbanism” examina o potencial transformador existente em iniciativas comunitárias e rascunha uma possível visão de cidade impactada por esses processos segundo referências compiladas em Mumbai, São Paulo, Istambul, Cidade do México e Cidade do Cabo, de 2007 a 2012, a partir da plataforma do Deutsche Bank Urban Age Award.

  • 27-05-2013
Deutsche Bank URBAN AGE Award
 

O Prêmio Deutsche Bank URBAN AGE Award é anunciado no Rio de Janeiro

Sexta edição do prêmio abre inscrições para os projetos instalados na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. As inscrições dos projetos são abertas ao público e gratuitas e podem ser feitas online de 13 de maio até 18 de julho de 2013.

  • 27-05-2013
Deutsche Bank URBAN AGE Award
 

Lançamento do livro “MICROPLANEJAMENTO – Práticas Urbanas Criativas | São Paulo” será dia 15 de março de 2011, no Centro Cultural São Paulo.

Uma nova perspectiva na forma de ler a cidade de São Paulo coloca em foco inusitados espaços de encontro construídos em coletividade. A publicação é uma iniciativa do arquiteto Marcos L. Rosa, em parceria com a Alfred Herrhausen Society, o Fórum Internacional do Deutsche Bank, e desdobrou-se da pesquisa de campo e projetos compilados pelo Deutsche Bank Urban Age Award 2008, realizado em São Paulo.

  • 01-03-2011
URBAN AGE