Assessoria de imprensa

Follow-us on | Like us on

 

FAMÍLIA SCHURMANN

 

É preciso acreditar e ter perseverança para realizar e viver o sonho!

 

PRIMEIRA FAMÍLIA BRASILEIRA A DAR A VOLTA AO MUNDO EM UM VELEIRO, OS SCHURMANN PREPARAM-SE PARA ZARPAR EM SUA TERCEIRA GRANDE EXPEDIÇÃO

 

De 24 de novembro de 2013 a 16 de fevereiro de 2014, os SCHURMANN embarcam em seu novo veleiro e zarpam para a sua terceira grande aventura por mares e oceanos do planeta: a Expedição Oriente. Primeira família a completar a volta ao mundo a bordo de um veleiro há quase 30 anos, dessa vez, o casal Vilfredo e Heloísa e os filhos seguirão a rota dos chineses que, de acordo com polêmicas teorias, foram os primeiros a contornar o globo. O novo projeto envolve inovação, tecnologia e sustentabilidade. Os filhos Pierre e David (líder da tripulação de terra) estarão em alguns trechos da aventura e Wilhelm estará a bordo por toda a Expedição. A caçula Kat estará simbolicamente presente ao inspirar o nome do novo veleiro. E, pela primeira vez, a tripulação ganha um representante da terceira geração dos SCHURMANN: Emmanuel acompanhará seus avós durante todo o percurso.

Depois de cinco anos de planejamento, estruturando o plano e buscando investidores para um projeto ousado, a FAMÍLIA SCHURMANN conquistou o apoio fundamental dos patrocinadores Estácio, HDI Seguros e Solví. Agora, dedicam-se à construção do veleiro Kat, que desbravará águas nacionais e internacionais durante dois anos ininterruptos. A Expedição Oriente também envolve importantes ações, como um projeto de cunho educacional em parceria com a Estácio e a produção de uma série televisiva e um documentário de longa metragem. A partir de amostras coletadas durante a viagem, o Departamento de Oceanografia Biológica de uma renomada universidade fará um estudo com análises da qualidade das águas e dos plânctons por onde o veleiro passar.

Uma aventura transmídia

Com forte presença digital, a nova saga da FAMÍLIA SCHURMANN será uma aventura transmídia. Para isso, a Expedição Oriente conta com uma plataforma completa para acompanhamento e interação com os brasileiros e usuários de todo o mundo, durante os preparativos, a partida, as histórias em alto mar e de outros povos e culturas visitadas até o retorno ao Brasil. Todas as emoções serão transmitidas diariamente pelo site do projeto, traduzido em cinco idiomas, além de páginas oficiais em redes sociais como Facebook, YouTube e Instagram. Aplicativos para smartphones também estão no roteiro. E, neste “mar digital”, o público poderá embarcar na Expedição Oriente por meio de barcos virtuais, disponibilizados através de técnicas de gamification que agitarão a rede com desafios, minigames e missões.

“Expedição Oriente é uma plataforma de integração do público com a FAMÍLIA SCHURMANN, indo muito além da construção de um site oficial. Ela conta com uma plataforma inédita focada em um assunto que interessa a todo o mundo, tendo um canal de informação associado ao entretenimento participativo de forma lúdica”, conta David Schurmann. Como jamais aconteceu numa expedição como essa, os usuários poderão acompanhar as novidades e participar de desafios digitais, que renderão pontos e prêmios especiais. Para começar, cada pessoa terá sua própria embarcação virtual customizada, que seguirá o veleiro Kat por todo o trajeto por meio de um mapa interativo. Quanto mais pontos o usuário tiver, mais perto da embarcação da FAMÍLIA SCHURMANN ele vai estar.

 

 

KAT, tecnologia de ponta em um veleiro sustentável

Em um mundo cada vez mais conectado à tecnologia mobile, o veleiro da Expedição Oriente é dotado de um sistema elétrico digital – 100% nacional – e não analógico, que pode ser manipulado remotamente por dispositivos móveis como um iPad, possibilitando desde uma simples ação de acender ou apagar a luz até navegar via controle remoto a quilômetros de distância. “O sistema elétrico digital já é empregado nos setores aéreo e automobilístico, mas é algo inovador no ramo marítimo. Na nossa embarcação, tudo, absolutamente tudo, poderá ser controlado nas pontas de nossos dedos”, esclarece David. Além disso, os SCHURMANN adotarão um sistema de comunicação via satélite com velocidade de 492 KBPS. Mas um dos pontos altos dessa nova aventura será a tecnologia a serviço do meio ambiente.

Dentro de um espaço bastante limitado, a FAMÍLIA SCHURMANN apresentará soluções inéditas de sustentabilidade. De acordo com o cronograma e o planejamento inicial, a nova embarcação, que está sendo construída no Brasil com fornecedores atuantes no país, deverá ficar pronta no final de setembro de 2013 – dois meses antes do início da Expedição Oriente.

Família Schurmann
KAT, tecnologia de ponta em um veleiro sustentável

 

O veleiro terá uma quilha retrátil. Quando em baixo, terá um calado de 4,5 metros. Em cima, um calado de 1,80 metros. Kat, o veleiro, será equipado com um sistema de geração de energia limpa, por meio de eólicos, painéis solares, dois hidrogeradores e duas bicicletas ergométricas para produção de energia durante os exercícios físicos da tripulação. Além disso, graças à parceria com a Solví, a embarcação terá um sistema de tratamento de esgoto e o lixo orgânico será reaproveitado utilizando um equipamento especial para produção de adubo em forma de pequenos tijolos. “Queremos que o nosso barco seja um microcosmo autossustentável”, afirma Heloísa Schurmann.

 

Projeto e imagem em 3D do novo veleiro
Foto: Projeto e imagem em 3D do novo veleiro

 

Os chineses e a FAMÍLIA SCHURMANN

Com a Expedição Oriente, a FAMÍLIA SCHURMANN espera trazer à tona a teoria de que os chineses foram os primeiros navegantes a darem a volta ao mundo. Para isso, buscarão por indícios em determinados locais da viagem. “Em nossa última expedição, seguimos a esteira de Fernão de Magalhães. Estudamos a fundo sua história e uma coisa nos intrigou. Magalhães suspeitava que houvesse uma rota para as ilhas das especiarias via uma passagem ao sul das Américas. Ele argumentava que detinha um mapa que provava a existência deste canal. Veio então nossa curiosidade: como ele teve acesso a essa informação, que não era mencionada em nenhum documento oficial?”, conta o capitão Vilfredo Schurmann. Em 2002, Gavin Menzies, um oficial da Marinha inglesa, publicou uma tese que poderia fornecer a resposta para a pergunta da FAMÍLIA SCHURMANN.

No livro “1421: o ano em que a China descobriu o mundo”, Menzies apresenta pesquisas que o levaram à origem desses mapas e expõe sua teoria de que os chineses foram os precursores das viagens de descobrimentos, utilizando “avançados instrumentos” com know how de cálculo de latitude e longitude. “A tese reza que, em 1421, a maior esquadra com gigantescos juncos de até 150 metros de comprimento zarpou da China. Os navios eram capitaneados pelos leais almirantes do Imperador Zhu Di. Sua missão era 'seguir até os confins da terra para recolher tributos dos bárbaros de além-mar'”, explica Vilfredo. Em sua jornada de dois anos, os navios chineses aportaram na América 70 anos antes de Colombo, circunvagaram o globo um século antes de Magalhães, descobriram a Antártica, chegaram à Austrália 320 anos antes de Cook e descobriram a longitude 300 anos antes dos europeus.

Inspirados nesta teoria e suposto fato histórico, a FAMÍLIA SCHURMANN resolveu se lançar ao mar novamente para a sua inédita Expedição Oriente, que retraça parte das rotas chinesas. “Sim, não foi apenas uma rota, foram diversas rotas navegadas pelos juncos chineses e nós iremos ao encalço de algumas delas”, comemora Heloísa Schurmann. No total, foram cinco anos de planejamento para este projeto, estruturando o plano e buscando investimento, e – agora – cerca de um ano de pré-produção pela frente até a partida para a Expedição Oriente. Dentro deste cenário, confira o roteiro da próxima aventura SCHURMANN!

A nova rota da FAMÍLIA SCHURMANN

De 24 de novembro de 2013 a 16 de fevereiro de 2014 – FAMÍLIA SCHURMANN parte de Itajaí, Santa Catarina, Brasil, rumo ao mundo! Em seu caminho...

>> Punta Del Este, no Uruguai è Mar Del Plata, na Argentina. >> Puerto Deseado, na Argentina. >> Ushuaia, na Argentina, com navegação pelo interior dos fiordes. >> Antártica. >> Puerto Willians, no Chile. >> Puerto Montt, no Chile, com navegação nos canais chilenos, passando pelas cidades de Puerto Chacabuco e Chiloé. >> Ilha de Páscoa, no Chile. >> Ilha Pitcairn, território britânico vizinho da Polinésia Francesa. >> Tahiti, passando por alguns atóis de Tuamotus, na Polinésia Francesa. >> Ilha Moorea, na Polinésia Francesa. >> Ilha de Huahine e Tahaa, na Polinésia Francesa. >> Ilha de Bora Bora, na Polinésia Francesa. >> Ilha de Mopelia, na Polinésia Francesa. >> Ilha de Rarotonga, nas Ilhas Cook. >> América Samoa, na Polinésia. >> Western Samoa, na Polinésia. >> Vavau, nas Ilhas de Tonga. >> Suva–Fiji, passando pelas Ilhas Monothaki e Yarol. >> Opua, na Baía das Ilhas, na Nova Zelândia. >> Auckland, na Nova Zelândia. >> Brisbane, na Austrália. >> Alotau, na Papua Nova Guiné, com paradas na grande barreira de Corais da Austrália. >> Ilha de Guam, colônia norte-americana localizada na Micronésia, com passagem pelas ilhas New Ireland, New Hanover e Mussau. >> Saipan, nas Ilhas Marianas, colônia norte-americana localizada na Micronésia. >> Okinawa, no Japão. >> Shangai, na China, com navegação pelo Grande Canal. >> Cidade-Estado Hong Kong. >> Ho Chi Minh, no Vietnã, com paradas em duas ilhas. >> Natuna Island, na Indonésia. >> Singkwang na Ilha de Borneo, na Indonésia. >> Singapura. >> Jacarta, na Indonésia. >> Ilhas Chagos, território britânico localizado no Oceano Índico. >> Atol Cargados & Carajos, a 250 milhas da Ilha Maurício. >> Ilha Maurício, no Oceano Índico. >> Ilha Reunião, no Oceano Índico. >> Tonalaro, em Madagascar. >> Port Elisabeth, na África do Sul. >> CapeTown, na África do Sul. >> Ilha Santa Helena, no Oceano Atlântico.

29 de novembro de 2015 – FAMÍLIA SCHURMANN chega em Itajaí, a bordo de seu veleiro Kat, concluindo com sucesso a Expedição Oriente.

 

Os SCHURMANN

Foto: Vilfredo Schurmann, 64 anos.
Foto: Vilfredo Schurmann, 64 anos.

 

Economista graduado pela Universidade Federal de Santa Catarina, Vilfredo foi consultor financeiro de grandes corporações brasileiras, tais como Ceval (hoje, Bunge), Weg AS e outras. Aos 35 anos deidade, trocou uma carreira bem-sucedida e a vida em terra firme pelo prazer de desfrutar momentos de aventura junto com sua família, navegando pelo mundo em um veleiro. O capitão da FAMÍLIA SCHURMANN liderou e coordenou as duas expedições no mar.

Foi condecorado com a Medalha do Mérito Naval da Marinha do Brasil. Vilfredo foi produtor do documentário “Em Busca do Sonho”, da série “Magalhães Global Adventure” para a Rede Globo de Televisão e do longa-metragem “O Mundo em Duas Voltas”. É presidente da SCHURMANN Produções Cinematográficas, palestrante e responsável pelos projetos educacionais do Instituto Kat Schurmann.

 

Foto: Heloisa Schurmann, 64 anos.
Foto: Heloisa Schurmann, 64 anos.

Graduada professora de Inglês pela New York University com especialização na área de Pedagogia, Heloísa educou os quatro filhos, nas duas expedições de volta ao mundo.   Ela é pesquisadora, responsável pelo conteúdo dos projetos globais e autora dos diários de bordo da família. Heloisa é escritora e publicou três best sellers nacionais e, recentemente, lançou o livro “O Pequeno Segredo”.

Ela desenvolveu o Programa Pedagógico da segunda expedição, intitulado “Educação na Aventura”, acompanhado por mais de 2 milhões de alunos no Brasil e nos Estados Unidos. Além de palestrante, é responsável pelo núcleo de dramaturgia da produtora e conteúdo digital da FAMÍLIA SCHURMANN.

 

Foto: Pierre Schurmann, 44 anos.

 

Pierre partiu aos 15 anos com sua família durante sua circum-navegação “10 anos no Mar”. Desembarcou nos Estados Unidos para estudar na universidade. Em terra firme, começou sua carreira como corretor no Smith Barney. Em 1994, retornou ao Brasil para trabalhar na estruturação do projeto “Magalhães Global Adventure”. Em 1997, iniciou uma carreira empreendedora independente, que o levou a criar e vender três empresas: Zeek!, Ideia.com e Experience Club.

Atualmente, é investidor em diversas empresas de tecnologia e internet através da Bossa Nova Investimentos. Embora tenha um foco grande em negócios, sempre buscou equilíbrio de vida e hoje compartilha suas experiências no seu blog “Caminho Zen” publicado no site da revista IstoÉ.

 

 

Foto: David Schurmann, 38 anos.

 

Diretor e produtor, formado em Cinema e Televisão na Nova Zelândia, David iniciou sua carreira internacional com 19 anos como diretor do programa “In Focus” da TV3, na Nova Zelândia, onde viveu por seis anos. Ele dirigiu filmes em mais de 20 países para publicidade, séries de televisão, além de curtas e longas-metragens, recebendo prêmios no Brasil e no exterior. Destaque para seus longas-metragens “O Mundo em Duas Voltas” e “Desaparecidos”.

Além de palestrante, David é o diretor/administrador da empresa SCHURMANN Produções Cinematográficas e responsável pelo planejamento e desenvolvimento da nova Expedição Oriente.

 

 


Foto: Wilhelm Schurmann, 36 anos.

 

Aos 7 anos, Wilhelm embarcou com sua família para navegar ao redor do mundo. Ele viveu 10 anos no veleiro, onde estudou por correspondência, aprendeu três idiomas fluentemente, conheceu mais de 42 países e viveu aventuras inesquecíveis. Aos 10 anos, aprendeu a velejar de windsurfe e – apaixonado pelo esporte – tornou-se atleta profissional, participando de competições em vários países do mundo. Unindo talento e dedicação, ele se destacou no cenário nacional e internacional, sendo reconhecido como um dos maiores nome no esporte de windsurfe no Brasil e no mundo em diferentes classes: Formula Slalom, Wave, Speed e longa distância.

Wilhelm ganhou mais de 180 medalhas e troféus nacionais e internacionais em mais de 200 campeonatos, participando de mais de mil regatas. Na Expedição Oriente, Wilhelm será o imediato a bordo do veleiro.

 

 

Foto: Kat Schurmann.

 

Kat Schurmann nasceu em 1992, na Nova Zelândia. Aos 3 anos, tornou-se a mais jovem marinheira ao ser adotada pela FAMÍLIA SCHURMANN. Ela participou da “Magalhães Global Adventure” dos 5 aos 8 anos, navegando ao redor do mundo e conhecendo 19 países. Fluente em inglês e português, estudou por correspondência pelo método americano de ensino da Calvert School. Corajosa marinheira, Kat praticou diversas modalidades de aventuras: desceu rios em rafting, subiu montanhas e vulcões, nadou com os golfinhos e mergulhou em Fernando de Noronha.

Sempre alegre e brincalhona, era uma determinada defensora do meio ambiente. Kat faleceu em 29 de maio de 2006, aos 13 anos, de complicações decorrentes do vírus HIV, do qual era portadora desde seu nascimento. A pequena e amada marinheira está simbolicamente presente na Expedição Oriente, tendo o seu nome adotado pelo novo veleiro da família.

Emmanuel Schurmann

 

Terceira geração SCHURMANN a bordo

A Expedição Oriente marca o início da participação da terceira geração da FAMÍLIA SCHURMANN. Emmanuel Schurmann prepara-se para a sua primeira volta ao mundo ao lado de seus avós Vilfredo e Heloísa. Para participar da aventura, há dois anos, ele se dedica a cursos náuticos, entre eles, de vela, navegação e mergulho. Emmanuel também vem participando de treinamentos de mecânica de motor e culinária. O jovem já participa ativamente como tripulante em navegadas de longa distância a bordo do veleiro da família.

Fluente em inglês, espanhol e português, faz aulas de Mandarim. Na terra e no mar, Emmanuel vem passando por uma intensa preparação para viver a realidade de dois anos no mar.

 

 

1984: O mundo descobre a FAMÍLIA SCHURMANN

Em 1984, Vilfredo e Heloísa Schurmann partiram de Florianópolis, em Santa Catarina, com os filhos Wilhelm, David e Pierre – na época, aos 7, 10 e 15 anos, respectivamente – com o objetivo de realizar um sonho: dar a volta ao mundo a bordo de um veleiro. Em sua primeira grande aventura, os SCHURMANN passaram dez anos no mar. Eles navegaram pelo mundo e conheceram povos e culturas exóticas. Os filhos cresceram e estudaram a bordo.

Em 1997, a FAMÍLIA SCHURMANN partiu para sua segunda grande aventura. Dessa vez, com uma nova tripulante: a filha Kat, então com apenas 5 anos. A Expedição Magalhães Global Adventure foi acompanhada por milhões de pessoas no Brasil e em mais 43 países, via internet e TV. Durante a aventura, também foi desenvolvido o programa “Educação na Aventura” em parceria com a americana Adventure on Line, que foi indicado pela Unesco como ferramenta educacional. Depois de quase dois anos e meio no mar, o veleiro dos SCHURMANN chegou a Porto Seguro, na Bahia, no dia 22 de abril de 2000, para participar das comemorações dos 500 anos do Descobrimento do Brasil, sendo recebido pelos então presidentes do Brasil e de Portugal, imprensa internacional e cerca de 3 mil pessoas.

Em 2002, a FAMÍLIA SCHURMANN iniciou pesquisas sobre o afundamento de um submarino alemão durante a Segunda Guerra Mundial na costa brasileira. Até então, nenhuma das nove embarcações alemãs naufragadas havia sido encontrada. A primeira fase da Expedição U-513 – Em Busca do Lobo Solitário durou cinco anos e envolveu uma equipe de 35 profissionais, entre eles, mergulhadores, oceanógrafos, ex-comandante de submarinos das marinhas Os Schurmann reunidosbrasileira e alemã, arqueólogos, historiadores e cinegrafistas. Em 2009, iniciaram-se as buscas a bordo do veleiro Aysso. No dia 14 de julho de 2011, depois de diversas incursões ao mar, entre tempestades, frustrações e muitas informações, finalmente o submarino foi encontrado a 85 km da costa da Ilha de Santa Catarina, a 130 metros de profundidade.

Prestes a completar 30 anos de7 aventuras, a primeira família brasileira a dar a volta ao mundo em um veleiro – e a fazê-lo por duas vezes – prepara-se para um novo e instigante desafio. Este ano, a FAMÍLIA SCHURMANN retorna aos mares e oceanos para sua terceira volta ao redor do mundo: a Expedição Oriente!

 

Os Schurmann reunidos
Foto: Os Schurmann reunidos.

 

6 perguntas para a FAMÍLIA SCHURMANN

1. Quando e como começa o sonho da FAMÍLIA SCHURMANN e suas famosas expedições?

A ideia surgiu em 1974, durante uma viagem de turismo à Ilha de St. Thomas, no Caribe. Na época, nós (Heloisa e Vilfredo) navegamos pela primeira vez em um veleiro e nos apaixonamos. No último dia na ilha, fizemos um pacto: iríamos voltar àquela ilha com nosso próprio veleiro. Foram 10 anos atrás do sonho. Iniciamos com um pequeno veleiro em Florianópolis e um jovem de 15 anos nos ensinou a navegar. Aos poucos, fomos adquirindo experiência, participando de regatas no Brasil e no exterior, até adquirir um veleiro de oceano. Com o veleiro Sagui e, depois, o Manatee, navegamos mais de 8 mil milhas na costa brasileira. Em 1982, adquirimos o veleiro Guapo de 44 pés, que nos levou a dar uma volta ao mundo. Saímos de Florianópolis em 1984 e voltamos após 10 anos, vivendo com nossa família no mar. Nossos filhos na época Wilhelm, David e Pierre tinham 7, 10 e 15 anos, respectivamente. Os três cresceram a bordo e conheceram povos e culturas exóticas.

2. Vilfredo e Heloísa chegaram a sofrer críticas duras por “desviarem” os filhos de uma rotina de estudos e desenvolvimento tido como “normal”?

No início, fomos criticados, especialmente por parte dos familiares. Mas tínhamos um sonho e, para isso, foi necessário buscar soluções para a educação de nossos filhos. Depois de extensa pesquisa, encontramos o método de educação por correspondência em uma escola americana com mais de 100 anos de experiência.  Como professora, eu, Heloisa, aliei a didática à disciplina e criei uma rotina para as aulas e, com dedicação, obtivemos excelentes resultados. Um dos desafios era desenvolver temas para que eles escrevessem cerca de 20 redações por mês e motivá-los a realizar dezenas de trabalhos de pesquisas em todas as matérias. Foi uma experiência incrível, dar aula para poucos alunos: no meu caso, na primeira viagem, três meninos e na segunda, a nossa filha Kat. O aproveitamento e o aprendizado se tornaram personalizados e os resultados foram excelentes. No estudo à distância, a maior lição foi a disciplina e o respeito mútuo.

3. E como foi essa primeira grande aventura?

Florianópolis, 14 de abril de 1984. Deixamos para trás, casa, carro, trabalho, escola e o conforto da vida em terra firme. Heloísa, eu e nossos filhos, Wilhelm, David e Pierre zarpamos para realizar o sonho de nossas vidas: dar a volta ao mundo a bordo de um veleiro. Para tornar o sonho possível, a preparação foi longa e exigiu sacrifícios. Foi um ano de planejamento para cada ano passado no mar. Nesses dez anos de preparação, fizemos vários treinamentos, em diferentes áreas: navegação, primeiros socorros médicos e dentários, eletricidade e eletrônica. Durante a viagem, nos tornamos empreendedores realizando charters com o veleiro, os meninos deram aulas de windsurfe e mergulho, Heloísa escreveu artigos para revistas e publicações especializadas... Escolhemos a rota dos navegadores que seguem os ventos alísios. Navegamos dez anos pelos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico. Seguimos do Caribe pelo canal do Panamá, Barbados, Galápagos, Bora Bora, Ilhas Fiji, Madagascar e Cidade do Cabo, entrando em contato com uma riquíssima diversidade paisagística, cultural e humana. Tornamo-nos a primeira família brasileira a completar uma volta ao mundo a bordo de um veleiro. Mais importante que a fascinante oportunidade de conhecer o mundo, a convivência permitiu que tivéssemos o privilégio de compartilhar em família a grande aventura da vida.

4. Quais são os maiores desafios já enfrentados pela FAMÍLIA SCHURMANN na concepção de um projeto ou durante uma expedição (em terra e em alto mar)?

São diversos os desafios. O primeiro é a persistência necessária para, mesmo com muitas negativas, continuar seguindo e acreditando até o momento de fazer acontecer, principalmente no momento de captação de recursos por meio de patrocínios. Esse tipo de expedição não é comum no nosso país. Por isso, muitas empresas têm receio de embarcar em algo diferente como um projeto desses. As empresas preferem investir em futebol ou esportes e eventos que já são a norma. Por isso, ficamos contentes quando algumas poucas empresas decidem abraçar algo inovador como a Expedição Oriente.

O segundo grande desafio é o planejamento de um projeto diferente, que não se enquadra em apenas um pilar, não existe um “template” ou formato para seguirmos, temos que criar tudo do zero, de nossa maneira. É um projeto multifacetado que exige uma programação específica para cada uma de suas áreas: construção do barco, planejamento da viagem (incluindo tripulação, treinamento, licenças, vistos, pesquisa de portos e locações), produção de eventos, exposições, projetos educacionais e ambientais, estratégias de divulgação, produção cinematográfica etc.

E o terceiro e maior desafio é no mar: desenvolver o espírito de equipe, a convivência e o relacionamento interpessoal em um pequeno espaço – além das tempestades em alto mar.

5. Qual a maior frustração que já tiveram em um projeto?

Foi quando saímos na ultima expedição, em 1997, quando tínhamos na economia do país a paridade de dólares. Mas quando chegamos à Patagônia, houve uma desvalorização de 30% do real. Tivemos que reformular todo o projeto.

6. Qual é o maior aprendizado que tiraram das primeiras expedições?

A experiência incrível de conhecer culturas e costumes diferentes, de compreender que um planejamento e gestão com uma logística bem definida são fundamentais, da importância de termos uma tripulação bem alinhada para facilitar a convivência entre tripulantes de idades e nacionalidades diferentes em um espaço reduzido e de contar com uma equipe de mar e de terra comprometida que sentiam parte do time.

Eles acreditam no sonho dos SCHURMANN

A Expedição Oriente da FAMÍLIA SCHURMANN tem como patrocinadores a Estácio, a HDI Seguros e o Grupo Solví. A parceria com as três empresas vai além do suporte financeiro. A Estácio está envolvida em projetos educacionais ligados à Expedição Oriente, a HDI cuida da segurança do barco e da tripulação e a Solví trabalha no desenvolvimento de mecanismos de sustentabilidade, como o tratamento de esgoto e lixo da embarcação.

De acordo com Rogério Melzi, presidente do Grupo Estácio, "a parceria com a FAMÍLIA SCHURMANN é um dos grandes projetos da Estácio em 2013. Tem um significativo altamente simbólico para nossa instituição porque se ancora em valores muito caros para nós e para nossos 300 mil alunos em todo o país. O projeto Expedição Oriente está firmemente apoiado no sonho, na busca pelo novo, na capacidade de superação, na obstinação, na crença e na vitória. Na educação, da mesma forma, estes valores são pressupostos na formação para o trabalho e para a vida cidadã". E acrescenta: "para nós, que somos uma instituição de ensino superior, esta parceria proporcionará conteúdos, análises, novas visões de mundo nas mais variadas áreas de conhecimento, que serão envolvidas no projeto em suas diversas fases: desde o curso de computação gráfica até o de logística, além de design de interiores, direito, engenharia, farmácia, nutrição, entre outros. Nossos alunos terão acesso, em tempo real, a momentos importantes da viagem, como se estivessem dentro da embarcação com a FAMÍLIA SCHURMANN. Isso só será possível porque temos na tecnologia um aliado decisivo, mas com uma aplicação bem prática, objetiva. Será uma viagem inesquecível para o Grupo Estácio".

Paulo Moraes, diretor de marketing da HDI Seguros, destaca que participar desse projeto com a FAMÍLIA SCHURMANN é também uma questão de afinidade e identidade com a proposta. Ele elogia o espírito aventureiro dos SCHURMANN e destaca que esse novo desafio é que motivou a HDI a integrar o projeto. "Velejar por dez anos, com toda a família a bordo, pelos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico e, tempos depois, refazer com idêntico êxito a rota do navegador português Fernão de Magalhães, exige muito planejamento e, em igual medida, capacidade de avaliar, nos mínimos detalhes, todos os riscos inerentes a uma aventura de tal porte, a fim de garantir a segurança da embarcação e de seus tripulantes. Avaliar os riscos e oferecer segurança é exatamente o papel de uma seguradora. Por isso, estamos juntos nessa empreitada. É assim que a HDI Seguros tem pautado sua conduta no mercado, proporcionando, ao longo de mais de três décadas, o máximo em confiabilidade e tranquilidade aos seus segurados", afirma Paulo Moraes.

Carlos Leal Villa, presidente do Grupo Solví, destaca que "vivemos um momento de despertar coletivo, de iniciarmos uma trajetória de preservação do meio ambiente e de recuperação de espaços degradados através de inovações tecnológicas que permitem a diminuição dos impactos ambientais. Acreditamos que a 3ª Expedição Marítima da FAMÍLIA SCHURMANN, 29 anos após sua primeira viagem ao redor do mundo e 15 anos depois de terem refeito a rota de Fernão de Magalhães, será um grande impulsionador dessa trajetória, pois impactos ambientais não só serão objeto de estudo dos SCHURMANN durante a sua expedição, como também fazem parte de todo o planejamento da iniciativa e norteiam a construção do novo veleiro, o qual conduzirá a tripulação por uma aventura que ilustra este momento atual vivido pela sociedade. E explica: "nós, da Solví, vimos na proposta de parceria com a FAMÍLIA SCHURMANN uma oportunidade de comprovar, por meio da aventura de uma família, em um veleiro, fazendo uma circum-navegação da terra de dois anos sem agredir a camada de ozônio, sem poluir os oceanos, não descartando nenhum litro de esgoto e nenhum quilo de resíduo sólido nos mesmos, que existem soluções para mitigar os impactos ao meio ambiente seja em um micro cosmo ou em cenários mais amplos, como os que representam as realidades urbanas e industriais nas quais atuamos por meio de nossas empresas".

Perfis dos patrocinadores

EstácioUm dos maiores e mais conceituados grupos de ensino superior da América Latina, a Estácio atua há 42 anos no país. A instituição, presente em todas as regiões geográficas do Brasil, possui cerca de 4 mil funcionários, um corpo docente de 7,5 mil professores e 284,4 mil alunos matriculados.

Formada por 38 instituições de Ensino Superior, entre Universidades, Centros Universitários e Faculdades, está presente em 39 cidades de 20 estados. Com um total de 74 campi, a instituição oferece diversos cursos presenciais e a distância de Graduação Tradicional, Tecnológica e Licenciatura nas área s de Ciências Exatas, Biológicas e Humanas, cursos de pós-graduação lato sensu presenciais e a distância, cinco cursos de Mestrado e três cursos de Doutorado (Direito, Odontologia e Educação), avaliados com elevados conceitos de qualidade pelo MEC (Capes), além de cursos de extensão e educação corporativa. A Estácio mantém parceria com a Ecole hôtelière de Lausanne (Hotelaria suíça), a Alain Ducasse Formation (Gastronomia francesa) e a Universidade de Coimbra (Direito em Portugal). Um dos principais diferenciais da Estácio é a oferta de material didático gratuito aos alunos. São capítulos integrais das melhores obras para cada disciplina e curso, com o pagamento dos direitos autorais devidos. E em 2011 a Estácio inovou mais uma vez levando para os alunos dos cursos de Engenharia, Arquitetura e Direito em todo o Brasil, Gastronomia e Hotelaria no Rio de Janeiro e em São Paulo e de Administração em Goiás todo o conteúdo do material didático dentro de um tablet. Saiba mais em www.estacio.br.

 

HDI SegurosNo ano de 1903, em Frankfurt, nascia o Grupo HDI, que rapidamente posicionou-se como um dos maiores grupos seguradores da Alemanha. No Brasil, o Grupo está presente desde 1979, por meio da HDI Seguros. Com forte atuação no segmento de automóveis, contabilizando mais de 1,3 milhão de veículos segurados em todo o país, a HDI Seguros ocupa a 7ª posição no ranking nacional das seguradoras, nesse segmento, de acordo com os dados das Superintendência de Seguros Privados (Susep), autarquia responsável pelo controle e fiscalização do mercado segurador brasileiro.

Um dos grandes diferenciais da HDI é sua agilidade e eficiência no atendimento e na busca de soluções para seus segurados. Nesse sentido, a criação das Centrais Bate-Pronto tornou-se um marco inovador que consolidou ainda mais sua bem sucedida posição no mercado. Tratam-se de unidades de atendimento a sinistros que liberam os casos de forma rápida e com o mínimo de burocracia. Em média, os segurados da HDI atendidos nessas unidades têm seus casos encaminhados e liberados pela seguradora em até 30 minutos. Atualmente existem 40 centrais HDI Bate-Pronto atuando no país. Para avaliar o nível de satisfação de seus segurados, a HDI Seguros encomendou uma pesquisa sobre as centrais Bate-Pronto e o serviço de call center. No cômputo final, a nota média das centrais Bate-Pronto foi 9,6 e a nota do call center foi 9,2. Isso demonstra o compromisso da HDI Seguros com a qualidade no atendimento aos seus segurados. Mais detalhes: www.hdi.com.br.

SOLVÍA Solví é um grupo de empresas de reconhecida competência, que atuam, desde 2006, nos segmentos de Resíduos, Saneamento e Valorização Energética e Engenharia por meio de operações em mais de 171 cidades de diversos estados brasileiros, além de 16 municípios no Peru e uma estrutura com mais de 21 mil colaboradores.

Atuar prestando serviços capazes de prover qualidade de vida não só para essa geração, como também para as gerações futuras é um desafio por um lado motivador e por outro de extrema responsabilidade. Por isso, o Grupo carrega essa responsabilidade e esse compromisso em seu nome e sobrenome: Solví - Soluções para a Vida. Dentro deste cenário, o Grupo Solví tem como missão oferecer soluções em resíduos, saneamento, valorização energética e engenharia, operando e gerenciando concessões e contratos para clientes públicos e privados - além de promover o desenvolvimento de seus colaboradores e comunidades, criando valor para acionistas, clientes, fornecedores e governo, por meio do crescimento sustentável e do respeito ao meio ambiente. A Solví atua focada em valores como excelência, inovação, dinamismo, equipe, responsabilidade social e parceria. Por isso, sua gestão está baseada no princípio de harmonizar as expectativas dos clientes e usuários com a busca de resultados empresariais e desenvolvimento de seus colaboradores por meio de operações descentralizadas, planejadas e controladas corporativamente. Mais informações em www.Solví.com.

 

Fornecedores da Expedição Oriente

Kat, o veleiro da Expedição Oriente, promete impressionar marinheiros e leigos do país e do mundo por suas inovações, tecnologia e soluções sustentáveis. Para transformar a embarcação de seus sonhos em realidade, a FAMÍLIA SCHURMANN conta com fornecedores de ponta, entre eles: Aperam, player global em aços inoxidáveis, elétricos e especiais, responsável por cerca de 19 toneladas de aço inox usado no veleiro; Arcelor Mittal Brasil, empresa do maior produtor mundial de aço, fornece cerca de 85 toneladas de produtos em aço ao carbono; CSP Controle e Automoção com o sistema inteligente de segurança que manterá operantes todas as funções elétrica-eletrônicas de Kat; Evolution Empresas com seus containers, Kapazi oferecendo a praticidade da “Teka Fácil”, revestimento náutico em PVC que agrega beleza e proteção ao casco da embarcação; Ohmni Arquitetura e Engenharia, responsável pela criação e ambientação do interior, levando funcionalidade e conforto para os tripulantes; Volvo Penta, produtora de motores e sistemas de propulsão reconhecidos pela eficiência e baixa emissão de poluentes que integram a embarcação, e WEG, fornecedora dos motores elétricos, acionamentos e toda a linha de pintura e revestimento com aplicação de primers anticorrosivos. Vale lembrar mais uma vez que o novo veleiro está sendo construído no Brasil com fornecedores atuantes no país – havendo ainda espaço para outras empresas embarcarem neste importante projeto da FAMÍLIA SCHURMANN.

 

FOTOS DE DIVULGAÇÃO: Gil Ramos

Família Schurmann

Os Schurmann reunidos

Família Schurmann

Os Schurmann reunidos

Família Schurmann

Heloisa-e-Vilfredo-Schurmann

Família Schurmann      

Vilfredo Schurmann, 64 anos.

Família Schurmann

Heloisa Schurmann, 64 anos.

Família Schurmann

Wilhelm Schurmann, 36 anos.

Família Schurmann

Emmanuel Schurmann, 21 anos.

Família Schurmann

David Schurmann, 38 anos.

Família Schurmann

Veleiro-Kat_3D

Família Schurmann

Veleiro-Kat_3D

Família Schurmann

Planta-Veleiro-Kat

Família Schurmann

Projeto-Interno-Veleiro-Kat

Família Schurmann

Planta-Veleiro-Kat

Família Schurmann

Planta-Veleiro-Kat

 

Notícias relacionadas

 

 

Em coletiva de imprensa, Família Schurmann lança terceira expedição ao redor do mundo

Amanhã, quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013, a partir das 10h, na Cinemateca, a primeira família a completar a volta ao mundo a bordo de um veleiro, há 29 anos, lança oficialmente sua Expedição Oriente, projeto que envolve inovação, tecnologia e sustentabilidade. 

  • 27-02-2013
Família Schürmann
 

Coletiva de Imprensa: Família Schurmann lança expedição ao redor do mundo

Primeira família a completar a volta ao mundo a bordo de um veleiro anuncia detalhes sobre sua terceira grande expedição, um projeto que envolve inovação, tecnologia e sustentabilidade

  • 25-02-2013
Família Schürmann
 

Estácio, HDI Seguros e Grupo Solví embarcam com Família Schurmann em expedição de volta ao mundo

Em 2013, a Família Schurmann volta ao mar para sua terceira expedição de volta ao mundo. A bordo de um novo veleiro, o capitão Vilfredo Schurmann sua esposa Heloísa Schurmann e família desbravarão mares e oceanos seguindo a rota dos chineses que, de acordo com polêmicas teorias, foram os primeiros navegantes a contornar o globo.

  • 05-02-2013
Família Schürmann